Pai solteiro gay adota menina com síndrome de Down que havia sido rejeitada por 20 famílias

A sorte de uma criança mudou depois ser abandonada pela mãe e rejeitada por 20 famílias adotivas em potencial.

A história de Luca Trapanese para adotar Alba se tornou famosa por várias razões. A principal é o fato de que os serviços sociais nem sempre concedem custódia a um homem homossexual.

No entanto, eles fizeram uma exceção no caso de Luca … e ficamos muito felizes por isso.

Segundo a BBC , Luca, de 41 anos, publicou um livro em que relata sua jornada para se tornar pai de Alba, uma garota com síndrome de Down.

Durante uma entrevista de rádio, Trapanese explicou que seu caso é especial porque “destrói estereótipos sobre paternidade, religião e família”.

Na Itália, a adoção de pais homossexuais e solteiros é tradicionalmente um assunto complicado.

Luca adotou Alba em 2017, quando ela tinha apenas 13 dias e já havia sido rejeitada por 20 famílias por causa de sua condição.

O próprio Luca havia trabalhado em vários centros de atendimento a pessoas com necessidades especiais e sempre quis ser pai.

Por isso, apesar de não ter um parceiro, decidiu avançar com a adoção de Alba, que agora desfruta de um lar feliz com um pai.

https://www.instagram.com/p/B01B4TlIe-X

Segundo a BBC , Alba é uma criança determinada, teimosa de vez em quando. Ela gosta de brincar e dançar e da companhia de outras pessoas.

Tudo de melhor para Luca e Alba! Ele é claramente um homem com um grande coração e, graças a ele, essa garotinha tem um futuro brilhante pela frente.