Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

Homem aponta a câmera para o gelo – e registra algo inimaginável

O fotógrafo James Balog e sua equipe estavam examinando uma geleira quando suas câmeras gravaram algo extraordinário.

O incidente aconteceu na Groenlândia, onde James e seus amigos estavam coletando imagens de câmeras que tinham sido espalhadas pelo Círculo Ártico ao longo de vários anos.

James e sua equipe estavam procurando boas tomadas para um documentário que fariam, mas ninguém estava preparado para o que se desdobraria em frente aos olhos deles.

Facebook/Exposure Labs

Apesar de ser um especialista em natureza, por muito tempo o fotógrafo americano James Balog não acreditou nas mudanças climáticas.

Na realidade, por quase 20 anos, ele desafiou os cientistas que denunciavam o aquecimento global.

“Não achava que os humanos fossem capazes de alterar conceitos básicos da física e da química deste planeta enorme. Não parecia provável, não parecia possível,” disse Balog.

Imgur

Foi só em 2005 que Balog se deu conta de que algo estava fora da ordem, enquanto examinava de perto como as mudanças climáticas afetam a natureza.

Durante uma expedição fotográfica ao Ártico, organizada pela National Geographic, ele pôde ver em primeira mão o enorme estrago.

Fazia exatamente dez anos que havia estreado o filme de Balog, “Chasing Ice” (“Em busca do gelo”) e ele decidiu documentar o derretimento das geleiras com um exercito de câmeras.

Foi assim que Balog capturou uma das cenas mais espetaculares jamais filmadas.

Em menos de uma hora e 15 minutos, Balog e seu equipe viram um pedaço de geleira – que tinha o mesmo tamanho da parte sul da ilha de Manhattan – desaparecer no oceano.

YouTube/Exposure Labs

O evento histórico foi registrado no Livro Guinness dos Recordes e mostra claramente como é séria a situação climática na Terra.

Até onde se tem conhecimento, este foi um desastre geológico ainda sem comparação. Infelizmente, tudo indica que não será o último.

Assista aqui ao vídeo impressionante:

Em novembro de 2016, a temperatura no Ártico estava 20 graus mais alta do que a média, o que é muito mais quente do que todas as pesquisas haviam previsto.

Infelizmente, vamos nos deparar com um desastre, se não reduzirmos a zero as emissões de gases causadores do efeito estufa até 2070. Mas, por um ângulo mais positivo, ainda temos a possibilidade de fazer isto virar realidade.

Com sorte, este vídeo vai ajudar a convencer mais pessoas de que a situação é muito séria, para podermos juntos reverter a tendência!

Ninguém consegue fazer tudo sozinho, mas todos juntos podemos fazer alguma coisa. Compartilhe, por favor!