Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

70 anos após o Holocausto, um drone sobrevoa Auschwitz – e as imagens ainda são dolorosas

Em 1o de setembro de 1939 foi dado o início da Segunda Guerra Mundial, quando os alemães atacaram a Polônia. E uma das primeiras ações foi prender judeus em guetos.

Os nazistas construíram campos de concentração para lançar o “Generalplan Ost,”, uma limpeza étnica de judeus, polacos, romaniches, homossexuais e pessoas com deficiência.

Antes, o ano de 1933 viu a construção do primeiro campo de concentração, onde prisioneiros políticos eram colocados. Entre 1937 e 1939, a construção de acampamentos foi ampliada e, no final de 1945, havia 730 campos de concentração.

Os prisioneiros eram usados ​​como uma força de trabalho, o que foi de grande utilidade para os alemães durante a guerra. O objetivo era tornar os judeus extintos na Europa.

Auschwitz consistiu em três partes, com Auschwitz II-Birkenbau sendo um campo de extermínio puro. Durante a Segunda Guerra Mundial, 1,3 milhões de pessoas foram enviadas para Auschwitz. Destes, 1,1 milhão foram assassinados, um milhão deles judeus.

Quando minha avó veio para a Suécia nos chamados “ônibus brancos“, ela pesava apenas 30 quilos. Os ônibus foram organizados por um conde sueco chamado Folke Bernadotte que queria salvar prisioneiros escandinavos durante a última parte da guerra.

Os ônibus foram pintados com cruzes vermelhas para evitar ataques.

Entre 15.000 e 30.000 pessoas escaparam graças aos ônibus. A maioria delas era escandinava, mas nas últimas semanas da guerra, pessoas de outras nacionalidades também conseguiram usar os ônibus.

Entre os resgatados, cerca de 4.000 eram judeus.

Meu tio Moisés nasceu em 1932. Já aos cinco anos trabalhava em uma fábrica de vidro pela ordem das SS (Schutzstaffel). A fábrica era próxima da sede da SS na cidade polonesa de Piotrków, onde Moisés nasceu. As crianças eram consideradas boas trabalhadoras, pois suas pequenas mãos podiam polir o vidro em lugares onde as dos adultas – muito grandes e desajeitadas – não chegavam.

Durante três anos, Moisés trabalhou na fábrica antes que ele e sua mãe, Miriam, fossem enviados para o campo de concentração de Ravensbrük.

Meu avô foi enviado para Buchenwald. Miriam foi assassinada e Moisés foi para o campo de concentração Bergen-Belsen. Lá, ele foi atendido por uma mulher que mais tarde recebeu o nome “O anjo de Bergen-Belsen”, por salvar tantos órfãos.

No final da guerra, Moisés foi enviado para a Suécia.

Após a guerra, meu avô Saoul procurou por mais de um ano antes de descobrir que algumas crianças haviam sido levadas para a Suécia. Foi lá que conseguiu encontrar seu filho.

Saoul e minha avó Rosa se encontraram na Suécia. Ambos os pais haviam sido mortos e seis dos sete irmãos da minha avó, assassinados. A primeira esposa do meu avô e os seis dos seus irmãos foram todos mortos.

Hoje, alguns dos que sobreviveram ao Holocausto ainda estão conosco. Portanto, é importante que nos lembremos de suas histórias e que continuemos compartilhando para que isso nunca se repita.

Aqui estão as imagens terríveis que um drone capturou quando voou sobre Auschwitz no ano passado:

Por favor, compartilhe esta história. Nunca deve ser esquecida.

– Ewa Dabrowski

Publicado por Newsner. Por favor, curta.

 

Leia mais sobre...