Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

9 hábitos que você deve adotar já, se quiser prevenir o Alzheimer – antes que seja tarde demais

Qualquer um que tenha um parente sofrendo de demência tem noção do impacto que a doença tem sobre o bem-estar geral.

O tipo mais comum de demência é causado pelo mal de Alzheimer e, infelizmente, não tem cura.

Entretanto, você sabia que se exercitar três vezes por semana pode reduzir as chances de ter demência em até 70 por cento?

De acordo com a Associação Americana de Alzheimer, mais de cinco milhões de americanos vivem hoje com a doença.

E, por mais que alguns remédios sejam capazes de reduzir os sintomas, a cura ainda não foi descoberta.

Aqui estão nove hábitos que você deve evitar para proteger seu cérebro da demência:

1. Deixar de fumar

Fumar causa estragos em diversas partes do corpo, incluindo o cérebro. Estudos já demonstraram que os fumantes têm um risco 45% maior de ter Alzheimer do que os não-fumantes.

Mais uma razão para apagar esse cigarro!

2. Aumentar sua ingestão de vitamina B12

A vitamina B pode proteger você da demência. De acordo com um estudo feito por pesquisadores de uma renomada instituição na Finlândia, altos índices de vitamina B12 podem diminuir o risco do Alzheimer entre os mais idosos.

Em geral, uma boa parte dos mais velhos sofrem de deficiência de B12, então é ainda mais importante considerar o aumento no consumo. Ovos, carne, peixe e frutos do mar são boas fontes de vitamina B12.

© Pixabay

3. Seja mais ativo

Tente se exercitar com regularidade – isto não só estimula o coração como faz o sangue correr melhor pelas veias. Para evitar doenças crônicas, é melhor fazer exercício pelo menos meia hora por dia.

Também é recomendável ficar de olho na pressão sanguínea. Se você está na meia idade e tem colesterol alto, automaticamente já corre mais risco de ter demência, de acordo com o estudo dos pesquisadores finlandeses.

4. Aumente a ingestão de vitamina D

Há uma forte relação entre a deficiência de vitamina D e o mal de Alzheimer e a demência.

Um importante estudo americano realizado em 2014 demonstrou que a deficiência grave de vitamina D aumentava o risco de Alzheimer em aproximadamente 125 por cento. “Acredito que a vitamina D possa ser uma peça importante no quebra-cabeças da prevenção do Alzheimer”, disse a pesquisador Miia Kivipelto à rede sueca SVT.

Por isso, tente pegar sol com regularidade e, nos meses de inverno, avalie se não vale a pena tomar suplementos de vitamina D

5. Beba café

Você tem o hábito de tomar café? Ótimo – porque é bem capaz que ele possa ajudar a proteger o seu cérebro.

O café é um poderoso antioxidante e contem uma grande quantidade de magnésio. Por isso, pode vir a reduzir o risco da doença de Alzheimer em 50 por cento. Um estudo realizado na Itália em 2015 afirma que a dose ideal é uma xicara por dia!

© Pixabay

6. Proteja a sua cabeça

Existe uma conexão entre bater com a cabeça com força e demência. Um estudo nos Estados Unidos afirma que uma lesão grave no cérebro pode quadruplicar o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.

Por isso, sempre use capacete quando for andar de bicicleta, a cavalo, patinar ou esquiar.

7. Diminua o consumo de álcool

Beber álcool em demasia aumenta o risco de demência.

Embora haja estudos que indicam que uma taça de vinho por dia pode prevenir as mortes por Alzheimer, o consumo de grandes quantidades de álcool parece ter o efeito contrário.

8. Exercícios para o cérebro são ótimos

A mente deve ser tratada como um músculo que precisa de exercícios para se manter em forma.

Portanto, é importante tentar estimular o cérebro através de atividades como ler ou fazer palavras cruzadas. Não tenha medo de experimentar novas coisas – é porque quando você tenta aprender algo novo, o cérebro é forçado a fazer um esforço extra, que, em troca, apenas aumenta suas funções.

A cognição aumenta a atividade cerebral, o que por sua vez aumenta a memória.

© Pixabay

9. Não deixe de descansar e relaxar

Nos últimos tempos, os pesquisadores viram uma ligação cada vez mais clara entre o estresse e a demência. O estresse, no entanto, é algo que é medido de forma muito diferente de pessoa para pessoa. Isso torna difícil saber exatamente como isso afeta o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

O que sabemos, por outro lado, é que o sono é muito importante para o cérebro. A falta de sono pode levar à demência e de acordo com um estudo sueco, os homens com distúrbios do sono correm ainda um risco ainda maior.

Juntos podemos ajudar a espalhar o conhecimento e, espero, convencer alguém querido a mudar seus hábitos para melhor.

Por favor, nos ajude a compartilhar este artigo no Facebook!

Publicado pela Newsner, por favor curta.