Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

Pai de dois filhos vai lavar o cabelo no salão e, três dias depois, luta por sua vida na UTI

Há seis anos, Dave Tyler foi ao cabeleireiro para lavar e cortar o cabelo.

Mas nada seria o mesmo depois.

Três dias após a sua ida ao salão, Dave estava a caminho de uma reunião quando perdeu os movimentos no lado direito do corpo e caiu.

Dave foi levado de ambulância para um hospital local, onde ficou surpreso ao saber que tinha sofrido um acidente vascular cerebral.

Ele, que tem 45 anos, não pode mais dirigir e tem dificuldade em encontrar o equilíbrio desde o problema.

Seis anos após o incidente, ainda sofre de complicações e várias condições médicas, escreve o The Mirror.

Mas como isso pôde acontecer? A razão é bizarra e trágica.

Tudo começou no salão de cabeleireiro.

Quando a cabeça de Dave estava virada para trás para lavar o cabelo, um coágulo sanguíneo acabou surgindo.

A maioria das pessoas que já teve o cabelo lavado em um salão sabe o procedimento – mas desta vez, algo deu errado.

Uma veia ficou ferida, resultando em um coágulo sanguíneo que, por sua vez, resultou no AVC.

Agora, Dave Tyler quer alertar outras pessoas para que ninguém tenha que passar pelo o mesmo, como diz o The Mirror.

O acidente foi manchete na Inglaterra, onde Dave mora, e seu caso foi compartilhado por milhares de pessoas na internet.

Dave também foi aos tribunais e recebeu quase 113 mil libras em danos de uma empresa de cabeleireiro.

E parece que ele está longe de ser o único que sofreu com esse problema, de acordo com jornais britânicos.

“Síndrome do acidente vascular cerebral do salão de beleza”, como se chama, é um termo surgido 1993.

No início deste ano, outra britânica sofreu do mesmo problema.

Estudos mostraram que a posição mais comum usada para a lavagem em salões de beleza – com o pescoço voltado para trás sobre a borda de uma pia – pode reduzir o suprimento de sangue para o cérebro, às vezes desencadeando um AVC em pessoas de mais idade.

Para evitar esse problema raro, mas potencialmente perigoso, os médicos recomendam que as pessoas idosas não inclinem a cabeça para trás mais de 15 graus – especialmente se eles tiverem problemas com artrite no pescoço ou de circulação de sangue para o cérebro.

De acordo com Dave, acidentes fatais também podem ser evitados usando almofadas macias e toalhas.

“Os salões precisam ter certeza de que as almofadas estão disponíveis”, disse Dave ao The Mirror. “Que sejam oferecidos para os e que a equipe conheça a síndrome”.

Ninguém deveria ter que experimentar o que aconteceu com Dave. Mas juntos, podemos ajudar a evitar que isso se repita no futuro.

Na próxima vez que você se sentir desconfortável no cabeleireiro, lembre-se de que isso pode tornar-se fatal!

Compartilhe esta informação com seus amigos no Facebook e ajude a espalhar a notícia.

Publicado pela Newsner, por favor, curta.

 

Leia mais sobre...