Homem diz adeus à esposa depois de 59 anos juntos: “Sei que você não me ouve, mas eu te amo”.

Mais cedo ou mais tarde, todos nós experimentaremos a perda de um ente querido.

O vazio que isso cria é profundo e, embora as pessoas digam que “o tempo cura tudo”, a tristeza sempre estará presente.

A história de Bobby Moore e sua esposa, Jerry, coloca isso em palavras de uma forma poderosa.

Após 59 anos de casamento, Jerry faleceu e Bobby ficou sem sua amada.

Quando a fotógrafa April Yurcevic Shepperd viu o viúvo de luto na frente do caixão de sua esposa, ficou tão comovida que decidiu escrever sobre o momento.

Suas palavras e a imagem comovente nunca foram pensadas para serem publicadas. Mas a família de Bobby e Jerry pediu a ela que compartilhasse a história para ajudar outras pessoas durante seus processos de luto.

Esta é uma história de como o luto é uma parte inevitável de nossas vidas, mas também sobre como o amor é a coisa mais poderosa do universo.

Pode ser um pouco longo, mas certifique-se de ler até o fim. Vai valer a pena.

“Hoje, testemunhei uma história de amor. Não é o tipo de amor dos jovens que estão cheios de paixão, cheios de hormônios. Não foi o tipo dos recém-casados encantados com a idéia de devoção exclusiva e com felicidade para sempre.

Em um mundo como o nosso, onde os votos são quebrados tão rapidamente, o que eu vi hoje é uma raridade, um diamante. Hoje vi um homem, um homem triste, vigiando seu bem mais precioso. Aqui estava o amor personificado.

Quando ele entrou na sala, seus passos eram trêmulos, mas sua determinação foi incrível. Seus olhos estavam fixos em seu destino no fundo da sala. Um caixão cinza estava sob as luzes. Metade da tampa estava aberta; a metade fechada continha flores vivas combinadas, adornadas com fitas que tinham as palavras “esposa” e “mãe”.

Aproximando-se e sem pausa, ele se inclinou e beijou seus lábios com seu corpo frágil tremendo para manter-se ereto.

“Tão gentis e suaves foram suas palavras para ela. Certamente foram ditas inúmeras vezes, mas desta vez eram para outra finalidade.

“Eu sei que você não pode me ouvir”, ele sussurrou. ‘Mas eu amo você.’ E lágrimas caíram.

A cerimônia não poderia durar muito mais, mas ele chegou cedo. Ele não desperdiçaria essas últimas horas. Por 60 anos ela esteve ao lado dele, mas ainda não era suficiente. Nnem de perto o suficiente.

Então, ele puxou uma cadeira e se sentou. Uma bengala à sua direita, sua falecida esposa à sua esquerda, sentou-se de lado no caixão por quase uma hora. Ele esfregou os braços e deu um tapinha nas mãos dela. Era como se ele a confortasse, mas a verdade era que ele estava se consolando.

“Não parecia incomodá-lo que a pele dela estivesse fria, seu corpo rígido; nem o incomodou que ela não respondesse às palavras que ele sussurrou. Por mais estranho que pareça, essa poderia ter sido uma cena normal de qualquer noite em sua casa. Exceto pela abundância de flores e pequenos presentes enviados por amigos simpáticos, esse cenário parecia completamente normal.

Quando a família começou a entrar, ele ainda estava sentado ali, segurando a mão dela, acariciando seus cabelos.

“Ela parece bem, não é?”, Ele perguntou quando seus filhos se aproximaram. Todos concordaram. E eles choraram.

Por quase cinco horas ele ficou por perto, exausto, até que seu corpo exigiu que ele se retirasse e sua mente implorou por descanso.

“Este homem, esse homem devoto, mostrou mais graça em seu tempo de luto do que muitos em tempos de vida. Fiquei admirada, observando sua fidelidade. Nunca vi um homem tão triste, roubado de sua felicidade pela maldição da morte. Eu me perguntei enquanto o observava, o que ele faria amanhã e no dia seguinte? Hoje foi a parte fácil.

Hoje ela ainda estava aqui, deitada ao lado dele, capaz de ser tocada ou vista ou beijada. E amanhã, depois que ela estiver enterrada, e ele voltar para a casa deles? Suas coisas ainda estarão lá – o cheiro de sua pele, listas de compras rabiscadas, sua cadeira favorita, as sobras na geladeira, a cama deles. Sua cama. Como se dorme sozinho depois de 59 anos deitado ao lado da sua melhor amiga? Eu não posso imaginar.

Hoje, testemunhei uma história de amor. E eu testemunharei novamente amanhã quando ela finalmente terminar, e o palco estiver vazio, e as luzes se apagarem.

Para Bobby e tudo o que ele é.

Writer’s Note: At the request of the Bobby Moore and his family, I am sharing this narrative and photograph. This story…

Posted by April Yurcevic Shepperd on Wednesday, 31 January 2018

Para todos aqueles que estão de luto, espero que seus corações logo se curem. Seus entes queridos sempre estarão em sua mente, e o amor que sentiu tão fortemente pode continuar a inspirar-lhes no futuro.

Espero que a história deste homem possa dar força em tempos difíceis. Nunca devemos esquecer que nossos entes queridos que ainda estão conosco, seja em nossos corações ou em uma pequena nuvem fofa lá em cima no céu. Se você concorda, compartilhe esta história com seus amigos no Facebook.