Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

Vamos prestar uma homenagem a Yu Shangzhong, que dedicou a vida a cuidar de crianças abandonadas

Em muitas partes do mundo, esperamos que todas as crianças tenham o mesmo tratamento – independentemente do seu gênero. Mas também há muitos lugares onde ser um menino ou uma menina faz uma grande diferença. Na década de 1980, a China introduziu a política de uma criança, que levou a muitos abortos seletivos e crianças abandonadas.

Na China, ter uma filha nem sempre é tão desejável quanto ter um filho. Considera-se que um menino terá uma chance melhor do que uma filha de conseguir um emprego – para não mencionar um mais bem pago. Esta maneira de pensar causou grandes problemas sociais na China quando se trata de como as mulheres são tratadas. Muitos casais que tiveram filhas desde a instauração da tal política de um único filho decidiram colocá-las em orfanatos com a esperança de que fossem adotadas.

Mas nem todos os pais tiveram essa ideia. Alguns, mataram suas meninas recém nascidas, ou, mais comum, as abandonaram na floresta ou na rua – numa caixa de sapatos.

Uma pessoa que se recusou a apenas assistir a isso acontecer foi Yu Shangzhong.

De acordo com a News Asia, Yu Shangzhong e sua esposa adotaram sua primeira filha há 35 anos, quando Yu Shangzhong tinha 40 anos. Quatro anos depois, Yu Shangzhong encontrou uma pequena menina abandonada na rua. O bebê estava em uma caixa de sapato e Yu não poderia deixá-la, então a trouxe para casa. Yu e sua esposa também adotaram aquela menina e ao longo dos anos, o casal chegou a ter doze meninas.

Yu encontrou suas duas filhas mais novas em caixas de sapato abandonadas, em 1998. As meninas nasceram com apenas uma semana de intervalo.

Embora abençoada com uma grande família, a vida não foi muito fácil para Yu e sua esposa, que vivem em Wenzhou, na província de Chekiang. Yu, que era o único capaz de sustentar a família, teve que fazer o seu melhor através de empregos temporários.

Era difícil colocar comida na mesa e alimentar todas as crianças.

“Nós tínhamos dias difíceis. Quando eu era pequena, minha mãe me carregava nas costas, coletando restos ou mesmo implorando”, disse Yu Caisong, a filha mais velha, ao South China Morning Post. “As pessoas nos davam dinheiro e roupas antigas”.

Por causa das difíceis condições em que viviam, Yu e sua esposa decidiram achar algum outro casal que poderia adotar as filhas mais velhas à medida que envelheciam. Isso daria a ela a chance de uma vida melhor. Hoje, quatro das meninas estão universidade com apoio financeiro do governo.

Cinco das filhas permanecem com Yu e sua esposa.

Na sala de estar de Yu há uma imagem emoldurada com um bordado chinês feito por uma de suas filhas. Sobre isso, as letras chinesas podem ser vistas que podem ser traduzidas como “uma família pacífica prosperará”. Depois de tudo o que a família passou, ele escolhe olhar para o futuro com luz e positividade. Para os 70 anos de Yu, seus filhos se juntaram para comprar um anel de ouro como sinal de apreço.

Esta história é uma ótima lembrança de quão afortunados podemos ser em certas partes do mundo. E é difícil não se emocionar com o compromisso de Yu de ajudar essas meninas vulneráveis, que agora são suas filhas!

Por favor, compartilhe este artigo para homenagear Yu Shangzhong, um homem que merece nosso mais profundo respeito.

Publicado pelo Newsner. Por favor, curta.