Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

Elefantes são torturados para atrair turistas — ativistas estão fazendo a coisa certa

Em muitos países asiáticos, elefantes em cativeiro são usados como atração turística. Eles levam as pessoas em passeios e às vezes até pintam quadros. De fora, tudo parece muito divertido, mas esses elefantes pagam um preço alto demais.

Nestes países — como é o caso da Tailândia — os bebês elefantes são separados das mães logo depois do nascimento e postos em pequenas caixas de madeira onde são “domesticados” para serem usados no turismo.

 

YouTube

Falta de comida, maus tratos e queimaduras são algumas das maldades a que são submetidos os bebês elefantes. Eles não conseguem dormir, porque as gaiolas são tão pequenas que eles não conseguem se deitar. Os bebês elefantes são mantidos nessas jaulas por pelo menos uma semana.

O ritual se chama “phajaan” ou “amassar o elefante”.

YouTube

Os torturadores sabem exatamente o que estão fazendo e dizem que o elefante está domado quando começa a estabelecer um vínculo de confiança com os humanos que o maltrata. É só ai que o elefante recebe comida e água pela primeira vez.

Só que, nesta altura, a alma do elefante já se foi, e uma longa vida em condições terríveis o espera.

YouTube

O objetivo é usar os elefantes para ganhar dinheiro com turistas ou usá-los na indústria madereira ilegal.

Felizmente, já há gente na Tailândia que luta para melhorar as condições de vidas dos elefantes. Uma delas é Sanduen. Quando ela era ainda uma menina, ela viu um elefante ser tão maltratado, que ela gritou. Quando perguntou ao dono do elefante se era possível parar com aquele tratamento para que o animal descansasse um pouco, ela recebeu uma resposta que nunca mais esqueceu.

YouTube

“Não, ele não tem tempo para descansar, ele pode descansar quando morrer.”

A menina viu como o elefante estava triste, e soube que tinha de fazer alguma coisa.

No entanto, proteger elefantes não é fácil, e foi só em 1996 que ela, junto com a Green Tours, pôde realizar o sonho de abrir um parque e santuário de elefantes.

YouTube

O Elephant Nature Park fica no norte da Tailândia e é mais do que simplesmente um local para elefantes resgatados de situações de maus tratos.

O parque é enorme e oferece aos animais um ambiente muito parecido com o natural. Eles não têm de fazer truques, nem têm de trabalhar. O Elephant Nature Park põe o bem-estar dos elefantes em primeiro lugar.

YouTube

Os turistas podem visitar e fazer passeios no parque — são os ingressos que custeiam a manutenção do parque.

Pelo menos 85 por cento dos elefantes que chegam ao parque sofreram danos físicos e mentais — alguns estão completamente deprimidos, sem qualquer vontade de viver. É difícil imaginar como suas vidas devem ter sido duras.

Eles chegam traumatizados pelos trabalhos forçados e pelos maus tratos, e muitos parecem ter desistido de viver. Mas Sangduen sabe como ajudar a esses animais.

YouTube

Ela descobriu uma maneira de comunicar com eles e de ajudá-los a encontrar a cura.

Ela conversa com eles, canta para eles e demostra gentileza e empatia, coisas que eles nunca viveram antes.

Henrik Evoldsen descreve a atitude de Sangduen com os elefantes:

“Quando ela começa a falar com eles, eles não querem mais sair de perto dela. Querem ficar junto dela o tempo todo. Quando vamos visitar o parque, não podemos ir junto com Sangduen, ou todos os elefantes vêm em cima dela ao mesmo tempo.”

YouTube

Não são só os elefantes que amam Sangduen, ela também os ama de volta. Ela adora os animais que considera seus melhores amigos.

Este vídeo revela como os elefantes são torturados, mas também mostra a nova vida que eles têm — quando são salvos por esta mulher incrivel.

Alerta: algumas imagens podem ser perturbadoras.

Agradeço a Deus por gente como Sangduen. Nunca vou montar num elefantes e espero que as pessoas assistam a este vídeo e entendam o porquê.

Compartilhe esta notícia com seus amigos de Facebook, se você também quer salvar os elefantes.

Publicado por The Animal Bible. Por favor, curta.