Por ter síndrome de Down, ela foi proibida de andar de roda gigante com os amigos

Kathryn Embry estava viajando com as amigas de um centro esportivo do Kansas quando o grupo decidiu que queria andar numa roda gigante.

Todas as meninas foram autorizadas pelos responsáveis menos Kathryn, de 18 anos, supostamente por causa de suas deficiências, de acordo com o Daily Mail.

A equipe alegou que o motivo era que todos precisavam entender as regras, mas ninguém perguntou a Kathryn se ela sabia quais eram as regras.

Kathryn estava visitando a Scheels All Sports em Overland Park, Kansas, com seus colegas de classe em Blue Valley North quando o incidente aconteceu.

O local é um dos maiores conglomerados de lojas de artigos esportivos dos EUA e existe há 115 anos. Segundo o site, as lojas incluem “atrações como aquários, jogos e uma famosa roda gigante”.

Kathryn estava com um de seus colegas quando ela tentou andar na roda gigante.

“Tentei andar na roda gigante com meu amigo, mas eles disseram que não poderia porque tenho deficiências”, disse Kathryn à Fox4KC.

Mantém um time de futebol ‘alinhado’

Kathryn não tem problemas em gerenciar um time de futebol em sua escola e sua colega de equipe Emily Kramer disse à emissora como é incrível a sua amiga de longa data.

“Ela é nossa manager e mantém a equipe organizada”, disse ela.

Seu amigo Morgan McRuder disse que o incidente a deixou muito triste.

‘Ela pode fazer qualquer coisa que pudermos fazer’

“Isso me deixou muito chateado porque sei que Kathryn é uma garota incrível”, disse Morgan à Fox4KC News.

“Só porque alguém pode parecer diferente de outra pessoa, você não deve achar que ela tem menos capacidades. Kathryn pode fazer o que qualquer um de nós podemos ”, acrescentou.

Ninguém perguntou se Kathryn entendia as regras

De acordo com os demais alunos, a turma de Kathryn é composta por crianças com necessidades especiais e colegas que trabalham com elas. E disseram que costumam fazer atividades, como andar em rodas gigantes, em pares.

A mãe de Kathryn, Karen, entrou em contato com a loja naquela noite e disse que o gerente não estava ciente do incidente “, mas ele confirmou que a empresa tem uma política que todos precisam ser capazes de entender e seguir as regras”.

A questão é que ninguém perguntou a Kathryn se ela entendia as regras.

“O problema é que Kathryn tem Síndrome de Down, então você pode ver que ela tem uma deficiência”, disse Karen. “Mas não diz nada sobre suas capacidades. Ela pode ler as regras. Ela pode seguir as regras – disse Karen .

Morgan McRuder. Foto: YouTube

Sem resposta

Emily disse que não têm intenção de prejudicar um negócio que era tão generoso em sua comunidade, mas querem educar as pessoas e aumentar a conscientização.

Karen disse gostaria que a companhia formalizasse um pedido de desculpas e revisse a sua política.

A Scheels ainda não respondeu, de acordo com a Fox News.

O distrito escolar de Kathryn emitiu uma declaração dizendo: “Estamos orgulhosos de que os funcionários da Blue Valley tenham os melhores interesses como os nossos alunos. Agradecemos os esforços de nossos parceiros para manter nossos filhos seguros através de práticas eqüitativas. ”

O que você acha do tratamento dado a Kathryn? Fique à vontade para comentar em nossa página no Facebook e não se esqueça de compartilhar esta história.