Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

Criança grita de repente no banco de trás do carro: agora a mãe alerta a todos sobre esse risco inesperado

A segurança dos meus filhos é a coisa mais importante do mundo para mim. Quando a família entra no carro, eu checo várias vezes  se todos estão seguramente sentados, com seus cintos de segurança afivelados.

Foi exatamente assim que o marido de Shelly Martin agiu quando pôs o filho de 6 anos do casal no banco de trás do carro. Mas apenas alguns minutos depois ele foi forçado a fazer uma terrível ligação para a sua esposa…

Agora Shelly quer alertar outros pais a respeito do que pode acontecer se você segue cegamente as recomendações do uso do cinto de segurança.

Essa é uma importante mensagem. Por favor, ajude-nos a compartilhá-la para que todos os pais possam estar cientes desse risco.

O carro em que Samantha e seu pai estavam viajando subitamente derrapou e bateu contra uma árvore a duzentos metros de distância. A batida foi tão forte que o cinto de segurança que Samantha estava usando cortou o seu estômago.

O pai de Samantha saiu de dentro do carro e ligou para a mãe de Samantha. Shelly, é claro, ficou em choque e disse que nunca mais iria esquecer aquele momento. Sua filha estava seriamente ferida e tinha ferimentos graves no estômago.

“Seu intestino estava para fora, do lado esquerdo do corpo”, Shelly contou à CBS News.

Não é comum crianças de 6 anos viajarem sentadas em cadeiras de criança colocadas nos bancos dos carros. Na verdade, na Virgínia, onde a família vive, é recomendado que não o façam. Mas Shelly está convencida de que as lesões de sua filha não teriam sido tão graves se ela estivesse viajando em uma cadeirinha.

“Ela não teria se machucado tanto se estivesse numa cadeirinha”, ela disse.

E ela tem uma mensagem para todos os pais que andam de carro com seus filhos.

“Não achem que só porque seu filho tem 7 ou 8 anos ele é muito grande (para uma cadeirinha)… ele não é!” disse ela à CBS News.

Samantha também teve lesões na cabeça e no pescoço na batida, mas ela se recuperou de todos os ferimentos. Mas, é claro, ela sofre com os efeitos da batida, e está indo a um psicólogo para tratar do estresse pós-traumático.

Sua família descreve como eles se sentiram desamparados muitas vezes, mas que espalhar esse aviso para outros pais lhes dá força.

“Se pudermos conscientizar e salvar outra criança, pelo menos poderemos tirar algo de bom disso”, diz Shelly.

Shelly Martin e seu marido quase perderam seu filho por ouvirem as recomendações do estado em que vivem a respeito de cadeiras para crianças. Agora eles querem prevenir os outros para que não passem pelo mesmo.

Compartilhe a história deles para que outros pais possam evitar que seus filhos possam se machucar.

Publicado por Newsner. Por favor, curta.