Koko, gorila que ficou famosa por conhecer a linguagem de sinais, morre aos 46 anos

Koko, a gorila que ficou famosa por sua habilidade de se comunicar através da linguagem de sinais, faleceu aos 46 anos.

O macaco nascido em São Francisco cativou pessoas em todo o mundo com sua personalidade vibrante e incrível uso de sinais, ensinados a ela pela Dra. Francine “Penny” Patterson.

https://twitter.com/NatGeoChannel/status/1009751379743830018

A Dra. Patterson começou a ensinar a linguagem de sinais Koko em 1972, como parte de seu PhD. A dupla rapidamente iniciou uma amizade que duraria quase cinco décadas.

A própria Koko foi duas vezes capa da National Geographic, incluindo a famosa foto quando ela foi retratada lamentando a perda de seu gatinho de estimação.

Dr. Patterson se tornou uma figura materna para Koko, e em um documentário disse que não acreditava que ela tinha sido feita para ter filhos “normais”.

“Eu não acho que nasci para isso [ter filhos]. Mas para o que estou fazendo.

E quem pode esquecer a amizade de Koko com o falecido Robin Williams? O ator visitou Koke em sua casa em 2004, com ambos formando uma conexão para lá de visível.

“O que aconteceu quando Robin visitou é que Koko estava de luto por seu companheiro, Michael, e foi Robin quem a tirou disso”, disse Patterson a Entertainment Tonight. “A primeira vez que ela sorriu desde que Michael se foi foi quando Robin e ela se conheceram.”

A declaração

A Gorilla Foundation divulgou uma declaração que diz o seguinte:

“A Gorilla Foundation está triste em anunciar o falecimento de nossa amada Koko Woodside, Koko – a gorila conhecida por seu extraordinário domínio da língua de sinais, e como a principal embaixadora de espécies ameaçadas – morreu ontem de manhã enquanto dormia. Aos 46 anos.

Koko tocou a vida de milhões como uma embaixatriz para todos os gorilas e um ícone para comunicação e empatia interespécies. Ela foi amada e teremos profunda saudade dela. Koko, um gorila da planície ocidental, nasceu Hanabi-ko (japonês para “Criança dos fogos de artifício”) em 4 de julho de 1971 no zoológico de San Francisco. A Dra. Francine “Penny” Patterson começou a trabalhar com Koko no ano seguinte, famosa por ensinar a linguagem de sinais.

O Dr. Patterson e o Dr. Ronald Cohn se mudaram com Koko e o projeto para Stanford em 1974 e criaram a The Gorilla Foundation. Em Stanford, o projeto se expandiu e incluiu um segundo gorila de planície ocidental, Michael. Em 1979, Koko e a The Gorilla Foundation mudaram-se para as montanhas de Santa Cruz, onde Ndume se juntou a eles como outros um companheiro de suas espécies.

A capacidade de Koko para linguagem e empatia abriu as mentes e corações de milhões. Ela já apareceu em vários documentários e na capa da National Geographic duas vezes. A primeira, em outubro de 1978, mostrava uma foto que Koko havia tirado de si mesma em um espelho. A segunda edição, em janeiro de 1985, incluiu a história de Koko e seu gatinho, All Ball. Após a reportagem, o livro Koko’s Kitten foi publicado e continua a ser usado em escolas de ensino fundamental em todo o mundo.

Seu impacto foi profundo e o que ela nos ensinou sobre a capacidade emocional dos gorilas e suas habilidades cognitivas continuará a moldar o mundo. A fundação continuará honrando o legado de Koko e avançando em nossa missão, incluindo esforços de conservação na África, o grande santuário de macacos em Maui e um aplicativo para língua de sinais com Koko para o benefício de gorilas e crianças.

Para informações para a imprensa ou para fazer uma doação dedutível para o Fundo Koko, entre em contato com Joy Chesbrough, Diretora de Desenvolvimento da The Gorilla Foundation, no número: 1-800-ME-GO-APE ext 14.

Descanse em paz Koko, a gorila, obrigado por tudo que você fez!

COMPARTILHE esta história se você vai sentir falta deste magnífico representante dos animais.