Tweet about this on Twitter Pin on Pinterest Share on Facebook

Mãe dá a luz no banheiro de casa: e as fotos estão se espalhando como nunca na Internet

Muitas mulheres sonham em um dia ter filhos. Mas também assusta um pouco.

Posso engravidar? E se eu tiver um aborto espontâneo? Será que vai doer?

Quando você está grávida, fica sobrecarregada com todos os tipos de perguntas.

Como você quer dar à luz, onde você quer dar à luz, como ter algum alívio da dor etc.

É muita coisa para lidar. E se você nunca teve um bebê antes pode parecer impossível saber o que você quer.

Uma mãe, Marissa Heckel, escolheu ter seu primeiro bebê no hospital como a maioria das outras mães.

Mas a experiência não foi de todo como ela imaginava. Quando ficou grávida de seu segundo filho, decidiu dar à luz em casa, sozinha, sem médicos ou parteiras, apenas com seu marido.

Após o nascimento, ela compartilhou sua experiência no Facebook, onde escreveu:

“Faz cinco dias que dei a luz ao meu filho sem ajuda. Três anos atrás, em setembro, tive minha filha em um hospital. Depois de uma experiência horrível, tendo sido maltratada por causa da minha decisão de como parir, decidi que desta vez faria tudo em casa, do meu jeito.

Meu marido foi muito solidário o tempo todo, pois ele respeitava meu corpo e minha escolha de estar em um ambiente livre de estresse. Optamos por nem sequer ter uma parteira graças à minha teimosia. Eu simplesmente não gosto de alguém tentando me dizer o que é melhor para mim ou meu bebê. As finanças não foram o problema no meu caso.

Parir sem auxílio foi mais uma oportunidade para provar aos outros que Deus criou nossos corpos para parir – e que os hospitais nunca deveriam ser a norma.

Tive meu filho no meu banheiro depois de um trabalho de parto de 36 horas. A quantidade exata de tempo da primeira gravidez. Durante a noite, busquei alívio no chuveiro e na banheira, mas não consegui. Eu escolhi suportar a dor de pé contra a parede.

Eu simplesmente continuava me dizendo “a dor é apenas temporária”. No início da manhã comecei a transição. Não tenho certeza de quanto tempo durou, mas pareceu ser algumas horas. Quando as contrações e a pressão vieram, meu marido estava ao lado da cama segurando minha mão. Na verdade, era romântico, embora eu estivesse praticamente rugindo nesse ponto.

Em algum momento, minha bolsa estourou por toda a nossa cama. Cinco vezes diferentes. Quando senti que era a hora, eu tentei ficar na cama, mas senti que aquilo não seria natural o bastante para mim. Eu pedi para o meu marido me levar para o banheiro. Eu deixei meu corpo fazer o o trabalho.

Meu marido estava preocupado que eu estivesse sofrendo por muito tempo e tive que tranquilizá-lo. Entre as contrações que eu podia sentir a cabeça do bebê descer.

Finalmente, meu marido disse que podia ver a cabeça.

Ele me encorajou a continuar. Ele também estava preocupado que nosso filho batesse com a cabeça no chão (haha). Eu então disse-lhe para me ajudar e que eu iria dar a luz em pé.

Meu marido olhou para mim como se eu fosse louca, mas me ajudou de qualquer maneira. Eu me levantei, segurei o toalheiro e deixei meu corpo fazer um último impulso e ele finalmente estava fora. Meu marido ficou em estado de choque tirando mil fotos.

Nunca me senti tão poderosa e realizada em toda a minha vida. Nossos corpos são realmente incríveis!! A placenta saiu sozinha, cerca de vinte minutos depois. Nosso filho nasceu com 4,300 kg, e sua cabeça media 36 centímetros. Ele não é um bebê de tamanho médio porque meu marido é bem alto (dois metros de altura). Então, se você tem medo ou pensa que não pode fazê-lo, VOCÊ PODE !!!! Não tema, nossos corpos foram feitos para isso! “

– Marissa Heckel

Depois de compartilhar sua experiência on-line, o post estava ferver com comentários elogiando a corajosa mãe!

Eu acho que não seria corajosa o suficiente para dar à luz em casa, mas fiquei inspirada depois de ler o post de Marissa. Que mulher incrivelmente forte. Compartilhe se você concorda!

Sempre consulte seu médico ou parteira se você está pensando em dar à luz em casa. Neste caso, tudo correu bem, mas sempre há risco de complicações.

Publicado por Newsner. Por favor, curta.